Opulência

melhor-nom-olhar

Vém de se celebrar, mais um ano, a “tomatina” de Bunyol. 125 toneladas de tomates fôrom estragadas para divertimento de 45.000 pessoas que, evidentemente, nom tenhem o passar fame entre as suas experiências vitais.

Nom se tratava de hortaliças podres nem dum casual excesso de produçom, fôrom 125 toneladas de tomates maduros aptos para o seu consumo, e cada ano é maior a quantidade deste alimento destinada à conhecida festa.

De certo que mais dumha alma caritativa e sensível, educada no princípio de que “coa comida nom se joga”, bota as mãos à cabeça ao ver cada ano essas images mentres pensa na fame que se passa no mundo e chega a se perguntar se nom seria melhor enviar esses alimentos a qualquer país “terceiro-mundista”.

A “fresca e divertida” image da “tomatina” —como a de tantas outras festas similares baseadas em desbaldir alimentos ou auga, tamém no nosso país— é na realidade obscena e indignante, mas nom porque esses tomates pudessem ter sido enviados a algum país empobrecido, já que isso nom solucionaria nada.

No Reino de Espanha, nom sei se tamém noutros lugares será assi, ao divertimento baseado no mal-trato dalgum animal nom humano está-lhe a surgir um complemento festivo reflexo dumha sociedade opulenta e irresponsável.

Quanta auga se empregou em cultivar esses tomates? E em limpar depois o “campo de batalha”? Em quantos metros cúbicos de augas residuais azedas se transformou a “tomatina”? Fôrom depurados? Com que esforço? Ou fôrom parar directamente a algum rio ou regato? Que superfície de terra foi utilizada para esse cultivo caprichoso? Com que quantidade de agro-tóxicos, derivados do petróleo, se destruiu um bocado mais a Terra para obter essas 125 toneladas de projectil carnoso?…

Até para o “passar bem” temos que devorar planeta e futuro?

1 Comment to Opulência

  1. chuza.org di:

    Opulência…

    Vém de se celebrar, mais um ano, a “tomatina” de Bunyol. 125 toneladas de tomates fôrom estragadas para divertimento de 45.000 pessoas que, evidentemente, nom tenhem o passar fame entre as suas experiências vitais.

    Nom se tratava de hortaliç…